Os planos de Riad abrangem substituir o petróleo como base de sua economia e com este objetivo o país lançou vários projetos, informou a edição CNBC citando funcionários de alto escalão sauditas.

Mulher ao dirigir o carro na Arábia Saudita
© AP PHOTO/ HASAN JAMALI

De acordo com a mídia, a economia da Arábia Saudita está entrando em uma época pós-petroleira em que as megalópoles do reino, algumas das quais ainda estão sendo construídas, proporcionarão ao país todos os recursos necessários.Fahd Rasheed, diretor da Cidade Econômica do rei Abdullah (KAEC, sigla em inglês) – a primeira cidade do mundo em cotizar na bolsa – foi entrevistado sobre este assunto em uma entrevista com a CBNC no âmbito do Fórum Econômico Mundial de Davos.

“No momento, nosso negócio é construir cidades”, assinalou.

“Agora estamos falando sobre passar a uma economia pós-petroleira de serviços e acredito que estas megacidades sejam o motor econômico do futuro”, acrescentou o diretor.

Um menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen.
© REUTERS/ MOHAMED AL-SAYAGHI

Fahd Rasheed é responsável pela criação da KAEC, uma cidade portuária e manufatureira no mar Vermelho, que se espera que ajude a melhorar as relações comerciais do reino com o resto do mundo.A cidade foi fundada em 2006, pelo então rei Abdullah da Arábia Saudita.

Vale destacar, que este não é o único megaprojeto do tipo que a Arábia Saudita planeja construir. No fim de 2017, o governo anunciou sobre o início das construções de uma megacidade com o valor total de US$ 500 bilhões (R$ 1.618 trilhões) com o objetivo de diversificar sua economia. O projeto adquiriu o nome de NEOM e funcionará com energia 100% renovada. O projeto será financiado pelo governo do país e investidores privados.

sputnik